sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Let her go


You only need the light when it’s burning low
Only miss the sun, when it’s starts to snow
Only know you love her when you’ve let her go
Only know you’ve been high when you’re feeling low
Only hate the road when you’re missin’ home
Only know you love her when you’ve let her go


And you let her go 

domingo, 8 de novembro de 2015

Batalhas

 Escolhi o teu amor e às vezes pergunto-me como foste capaz de mo deixar fazer. Lumes como tu são tiros à queima roupa, mas eu pareço colete à prova de bala. Talvez deva culpar a pólvora silenciosa que és. Nem senti o buraco fundo e largo no meu peito quando ela neste se instalou. Ás vezes ainda tenho de relembrar o porquê de me debater contigo abrigada numa trincheira mais ou menos larga, mais ou menos forte. Nunca tive como sonho amar-te num campo de concentração. Íamos acabar por morrer os dois.
Escolhi o teu amor porque, num lugar remoto e só uma vez conhecido, me quiseste. Verdadeiramente. Brincavas comigo porque, num lugar presente e publicado no meu sorriso, te quis. Apaixonadamente. Mas as nossas guerras eram outras, as nossas ideologias díspares. Foi fogo livre o que houve entre nós. Foram feridas abertas, disparos certeiros, dias ao som de corpos rebolando em terra suja e quente. Fomos inimigos, raiva e revolução. Foste tu a privar-me de água, de alimento, a arranhar-me a face suada das tuas mentiras, das tuas promessas não cumpridas que eu tatuei em sítios que tu nunca verás. Foste tu, tu que me amavas pela noite, clandestino e desleal sabendo do meu cansaço, da minha luta vã. Fui eu, chorosa da guerra fria a que nos obrigavas, a ceder às tuas mãos repletas de pólvora ligeiras em mim, despindo mantos de orações e certezas, deixando cair dos bolsos as recargas que me permitiriam vencer-te, eliminar-te. E adormecia no teu peito, como se lá fora fosse Primavera, tempo de paz. Mas a manhã chegava e tu já lá não estavas. Exaltada e perdida procurava com mãos frenéticas restos de salvação, mas era adivinhar-te astuto e calculista e reconhecer que tinhas apanhado todas as minhas balas, todas as minhas armas, toda a minha roupa. E era ver-me, despida de mim mesma, frente a ti. Olho-te, decidindo que o pior não é a guerra, que o pior é o que vem depois dela, que o doloroso é recomeçar, é olhar para o território que nos pertencia e descobrir destruição em cada relevo. Que o que nos mata é ser atingidos por quem mais queremos bem, por quem cultivamos sentimentos parecidos com os que vêem nos livros utópicos que eu, tantas vezes descrente de um amor maior, gosto de ler. Que o difícil é salvar vidas, principalmente a nossa, cedendo ao inimigo a parte que lhe pertence, o presente da vitória.
Contudo, eu não tenho nada para te dar.

Escolhi o teu amor. E isso devia chegar.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Para Sempre Puto!

Nem sempre é fácil... Aliás, nunca é fácil!
A vida ensinou-me a dizer adeus às pessoas que fazem parte da minha vida, sem tirá-las do coração. Pensando bem não foi a vida, foste tu. Foste tu que ensinaste todos aqueles que passaram pela tua vida como sorrir, ensinaste-nos a viver cada dia como se fosse o ultimo, a viver a vida ao limite sem pensar no que pode acontecer amanhã. 
Sei que não posso falar por todos, mas penso que cada um de nós tem um bocadinho teu, um bocadinho que tu deixavas em todos nós e é por isso que todos sentimos a tua falta, é por isso que quando olhamos para o céu tu és a estrela que mais brilha.
Hoje já faz 4 meses que nos deixaste, pois é, já passaram 4 meses e não podia passar de hoje. Precisava de deixar uma marca tua, algo que relembre o que nunca se esquece. Infelizmente faltam as palavras, ainda parece não ser real.
Mas falar de ti é falar com alegria, é sorrir só de lembrar todas as tuas gargalhadas e todas as "maluqueiras" que dizias mesmo quando já sabias que o teu futuro podia não ser risonho, no fundo tudo o que desejavas era poder dizer que estavas bem para veres sorrir os que mais gostavam de ti, e isso não tem preço.
Obrigada João, por nos teres deixado o teu sorriso, as tuas aventuras, as tuas ideias malucas mas que todos adoravam. Obrigada por teres deixado connosco o João que todos adoravam e não deixava ninguém indiferente. Obrigada pela pessoa magnifica que foste e continuarás a ser para todos nós porque podes não estar cá fisicamente mas estarás para sempre no coração de todos os que gostam de ti.

Obrigada por tudo meu Puto, Até Sempre João Nuno!